domingo, 20 de fevereiro de 2011

Bodas de Caná

Uma noite dessas, eu conversava com a Nika sobre a grande utilidade do poder de transformar água em vinho. Foi aí que começamos a imaginar a passagem das Bodas de Caná com um pouco mais de detalhe. Desde então, não adianta, cada vez que quero tomar um vinho e não tem em casa, me lembro da versão que criamos, conjuntamente. Era algo mais ou menos assim.


A mulher estava conversando com as amigas sob uma ramada, onde haviam colocado alguns bancos para os mais velhos. Ergueu a cabeça e chamou o filho.


“Jesus, vem cá.”

O rapaz fez que não ouviu, e seguiu contando uma história para um grande grupo de jovens, que ouviam-no com verdadeiro encantamento.

“Jesus, a mãe tá chamando, filho.”

Era pior ignorar. Jesus então chegou bem perto da mãe, com esperança de que os outros rapazes não ouvissem a conversa.

“Acredita que está faltando vinho? Os parentes do noivo estão desesperados. Imagina o vexame...”

“E eu com isso, mãe? Nem estou bebendo, hoje.”

“Jesus, não te faz! Você sabe do que eu estou falando”.

“Mãe, nem vem!”

“Mas o que te custa, meu filho?”

“Não vou pagar um mico desses na frente do pessoal!”

Então, Maria olhou para as amigas que, até agora, não estavam entendendo sua conversa com o filho e disse, quase sem caber em si:

“Ele sabe transformar água em vinho.”

“MÃE!”

O grito de protesto do rapaz foi quase abafado pelos Oohhs e Uuhhs, das amigas da mãe.

“Transforma, meu filho.”

Os olhares das mulheres, agora, estavam completamente vidrados naquela conversa, cheios de expectativa. Jesus olhou feio para a mãe.

“Não vou fazer.”

“Está bem, então, mas fique avisado que eu já disse aos noivos que você declama muito bem. 
Eles até pediram uma amostra depois da ceia.” Maria voltou-se para as amigas: “Precisam ouvir a oratória dele. Uma vez falou no templo, tinha só 12 anos, os sacerdotes ficaram impressionados. Meu sonho é ver ele no Monte das Oliveiras. Tem aparecido cada canastrão por lá...”

Jesus olhava para Maria, incrédulo. “Eu não vou declamar!”

“Bem... isso se pode arranjar. Vai ser um problema, mas o que uma mãe não faz pelo filho, não é mesmo?” Deu um suspiro virando-se para as outras, que lhe devolveram acenos de aprovação. “Posso dizer aos noivos que você é um moço discreto, como convém, e não quer roubar a festa. Mas eles vão achar que é desfeita sua, que está cometendo o pecado da soberba.” Olhou para o chão e continuou, quase como se falasse para si mesma “A não ser, é claro, que você já tenha feito um grande favor a eles.”

Jesus soltou os braços, cansado, virou as costas e caminhou até umas talhas vazias que estavam na entrada da festa. Chamou o mestre de cerimônias e pediu que enchessem as talhas com água.

Maria apontou para as amigas “Olhem, olhem.”

Jesus então tomou um cálice nas mãos, encheu com o líquido e deu ao mestre que, após beber, deu um longo abraço no rapaz.

Jesus tornou a encher o cálice e, caminhando mais animado e um tanto cheio de si, foi até onde estava Maria. Esticou-o até ela e pediu que provasse.

Maria sorveu o vinho enchendo a boca, olhou para o céu e, só depois, engoliu.

Jesus, então, perguntou-lhe “Satisfeita?”

Maria olhou para o lado, sem entusiasmo “É...”.

Jesus exasperou-se. “O que foi agora, mãe? Não queria que eu transformasse água em vinho? Pois transformei!”

Maria tomou as mãos do filho entre as suas e disse, em tom conciliatório “Meu filho, não precisa ficar irritado. Eu pedi, você fez. Está bem!”

“Te conheço, mãe. Qual o problema?”

Maria olhou para os lados, sem querer encarar o filho “Certo, filho, água em vinho. Está bem, mas é que...” Ergueu novamente os olhos para ele “Sinceramente... Beaujolais...”


10 comentários:

  1. MORRI! hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha

    Muitíssimo bom!
    A Maria de vocês é a minha mãe! ahuahauahaua

    ResponderExcluir
  2. Eis que surge o " Evangelho segundo Luis Augusto". Se toda bíblia fosse assim, eu até leria com gosto....

    ResponderExcluir
  3. Por que será não consegui desassociar a sua Maria de Terry Jones vestido com manta de mulher?

    Maravilhosamente engraçado!

    ResponderExcluir
  4. Muuito bom!!
    rsrsrsrsrs
    Apoio a campanha: "Evangelho segundo Luis Augusto"
    quem sabe heim prof?!!?
    Abraço!! :)
    Daiane.

    ResponderExcluir
  5. Eu gostei muito de imaginar a cara das amigas de Maria. Muito engraçado!

    ResponderExcluir
  6. Alexandre, Luisa, Caminhante e Daiane:
    Valeu gente. Que bom que gostaram. Nós também rimos imaginando a cena.

    Charlles: é claro que o Terry Jones não me sai da memória e invadiu a criação da personagem. Combinado com elementos de algumas mães bem próximas aqui. Se é que me entendes...

    ResponderExcluir
  7. Excomungo-te! Profanador das hostes babilônicas! Estás condenado a criar todo o evangelho para o deleite dos ateus (ou dos atoas, tanto faz...). Rapaiz, com tantos amigos no Facebook e no Twitter, bem que a gente podia ter um destes sempre por perto, certo? Mas concordo com a digna Maria, podia bem ser um Cabernet Sauvignon.

    ResponderExcluir
  8. Concordo, André. Podia ser um Bordeaux, ou um Chianti.

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Hilário é o minimo. Nunca mais vou ler essa passagem da Bíblia da mesma forma.

    ResponderExcluir
  10. Adoreeeeeei! HAHAHAHA ri demais!
    realmente, eu adoraria ler a Biblia se fosse assim!
    Muito bom!

    ResponderExcluir